Sejam bem vindos ao Blog da Profª Sueli

" "Carpe Diem" quer dizer "colha o dia". Colha o dia como se fosse um fruto maduro que amanhã estará podre. A vida não pode ser economizada para amanhã. Acontece sempre no presente."

Rubem Alves

Páginas

quarta-feira, 30 de abril de 2008

Centenário da Imigração Japonesa


O Jornal A Folha de São Paulo, lançou um Especial, sobre as comemorações do Centenário da Imigração Japonesa.


Clique no título desta postagem e fique bem informado.


Aproveitem este espaço para comparar com a leitura do livro O amor é pássaro vermelho. Em breve discutiremos o tema.

terça-feira, 29 de abril de 2008

Olimpíadas 2008

FALTAM 100 DIAS PARA O INÍCIO DOS JOGOS OLÍMPICOS

Em agosto começam as olimpíadas 2008. Conheçam um pouco a História das Olimpíadas, desde de 1896, clicando no título desta postagem.

segunda-feira, 28 de abril de 2008

1º de Maio - conheça um pouco a História desta data

1º de Maio – Dia Mundial do Trabalho


“A história do Primeiro de Maio mostra, portanto, que se trata de um dia de luto e de luta, mas não só pela redução da jornada de trabalho, mais também pela conquista de todas as outras reivindicações de quem produz a riqueza da sociedade.” – Perseu Abramo

O Dia Mundial do Trabalho foi criado em 1889, por um Congresso Socialista realizado em Paris. A data foi escolhida em homenagem à greve geral, que aconteceu em 1º de maio de 1886, em Chicago, o principal centro industrial dos Estados Unidos naquela época.
Milhares de trabalhadores foram às ruas para protestar contra as condições de trabalho desumanas a que eram submetidos e exigir a redução da jornada de trabalho de 13 para 8 horas diárias. Naquele dia, manifestações, passeatas, piquetes e discursos movimentaram a cidade. Mas a repressão ao movimento foi dura: houve prisões, feridos e até mesmo mortos nos confrontos entre os operários e a polícia.
Em memória dos mártires de Chicago, das reivindicações operárias que nesta cidade se desenvolveram em 1886 e por tudo o que esse dia significou na luta dos trabalhadores pelos seus direitos, servindo de exemplo para o mundo todo, o dia 1º de maio foi instituído como o Dia Mundial do Trabalho.

Fonte: IBGE / Ministério do Trabalho
"Meu Maio"
Vladimir Maiakovski
A todos
Que saíram às ruas
De corpo-máquina cansado,
A todos
Que imploram feriado
Às costas que a terra extenua –
Primeiro de Maio!
Meu mundo, em primaveras,
Derrete a neve com sol gaio.
Sou operário –
Este é o meu maio!
Sou camponês - Este é o meu mês.
Sou ferro –
Eis o maio que eu quero!
Sou terra –
O maio é minha era!

domingo, 27 de abril de 2008

Saiu no Diário do Grande ABC

As comemorações do centenário da imigração japonesa estão à todo vapor. Hoje saiu no Diário do Grande ABC, algumas curiosidades sobre a cultura japonesa.

Clique no link abaixo e fique bem informado.
OBS: Para ler o diarinho basta clicar na seta que muda automaticamente de página. Caso queira ampliar o texto é só se cadastrar - é gratuito.

http://home.dgabc.com.br/diariovirtual/default.asp?cp=8

Domingo é dia de... Rubem Alves

Continuando a leitura dos textos do adorável Rubem Alves.


Explicando Política às Crianças II

Meninos e meninas: eu estava contando como tudo começou, esse jogo chamado política, parecido com o jogo de xadrez e suas peças, faraós, reis, imperadores, czares, deputados, senadores, juntas militares, generalíssimos, eminências pardas, eleições, muito dinheiro, tudo misturado, tudo se movendo sobre um tabuleiro quadriculado chamado poder. Aquelas avenidas horizontais, verticais e oblíquas desenhadas no tabuleiro são as avenidas do poder. É necessário conhecer as avenidas do poder para se jogar o jogo da política. Mas há uma diferença: no jogo do xadrez todas as avenidas são visíveis e claras. O xadrez é um jogo transparente. O jogo da política é mais complicado: há muitas avenidas de poder no lado oculto do tabuleiro, o lado que ninguém vê. O jogo da política é o jogo da não-transparência. Razão por que só os bobos acreditam no que vêem. Todas CPIs, apurações, investigações e depoimentos existem a fim de trazer o lado oculto do poder à visibilidade. Mas, como se sabe, bichos que vivem no lado debaixo do tabuleiro, escondidos, tais como as lacraias, piolhos de cobra, centopéias, miriápodos, escorpiões, vermes, lesmas não gostam de ser vistos. Fazem tudo para que o tabuleiro do poder não seja revirado. Quando o tabuleiro é revirado é aquele susto. Primeiro, susto dos que viviam escondidos no escuro que se põe então a correr, em busca do escuro. Segundo, susto dos que viviam no claro: eles nunca haviam imaginado que o lado escondido do tabuleiro do poder fosse assim tão repulsivo.
E há uma pecinha sem importância, sem vontade própria, que vai sendo empurrada para lá e para cá, chamada povo. Para o povo vale o aforismo: “ Os elefantes, quer façam amor quer façam a guerra, a grama sempre sofre” O povo é a grama.
O fim do jogo se anuncia com a expressão “xeque mate” que, segundo suas origens etimológicas no pérsico que dizer “ o rei está morto.”
E foi precisamente assim que nossa primeira lição de política terminou: as cabeças do rei e da rainha da França haviam sido cortadas pela guilhotina, os cidadãos celebrando alegremente numa praça, sem pipoqueiros e vendedores de espetinhos. Num outro lugar fechado, para que ninguém visse, todos os membros da família real da Rússia, inclusive as crianças, estavam caídas em poças de sangue, perfuradas pelas balas dos vencedores. Isso, para que nenhum tolo tivesse a esperança de volta. Os vencedores estão sempre acima do bem e do mal. Esse evento ainda é celebrado como um marco monumental na evolução histórica de humanidade!
O “xeque mate” marca o fim do jogo de xadrez. O rei morto marca o fim de um jogo político cujas regras eram definidas por um “contrato social”. Então para que a morte do rei não signifique a volta ao estado de “guerra de todos contra todos”, é necessário que se definam novas regras. Novo paradigma. E como foi o “povo” que pôs fim ao jogo antigo, é justo que seja o povo que estabeleça as regras do novo jogo. “O poder pertence ao povo”: essa foi a regra fundamental do jogo. Com justiça absoluta. Se você não sabe, essa é a essência da democracia. A palavra democracia vem da junção de duas palavras gregas: “demos”, que quer dizer “povo” e “kratein” que quer dizer “governar”. Governo do povo e para o povo: haverá coisa mais bonita?
Acontece que as coisas são mais fáceis na teoria que na prática. É fácil sonhar com o vôo. É difícil fazer um avião. É fácil sonhar com o ideal democrático. É muito difícil transformá-lo numa máquina que funcione.
Como criar um sistema político em que seja o povo que exercita o poder? Em Atenas, cidade considerada o berço da democracia, esse problema se resolvia de forma simples: os cidadãos livres se reuniam numa praça, debatiam as questões e votavam. A proposta que tivesse mais votos ganhava. Isso era fácil porque Atenas era uma cidade pequena. Mas como reunir os cidadãos de Paris, de Moscou, de Roma? A primeira dificuldade seria colocá-los juntos numa praça. A segunda dificuldade seria fazê-los ouvir as propostas ( não havia alto-falantes). A terceira dificuldade seria fazê-los entender as propostas... Há muitos problemas sobre os quais o povo nada sabe. Podem os ignorantes tomar decisões sobre assuntos que ignoram? A maioria é sempre mais sábia? Se o seu filho estiver doente, você vai acreditar no diagnostico de um único médico ou no diagnóstico da família inteira reunida? Em muitas situações a sabedoria se encontra no “um” e não nos “muitos”
A solução encontrada se baseava num pressuposto filosófico: os cidadãos são seres racionais. Eles sabem o que é bom para eles. Assim, tratava-se de escolher um cidadão, dentre os muitos, que representasse os pensamentos e desejos gerais. Essa pessoa assim escolhida se tornaria, então, “representante” de todos aqueles que haviam votado nela. Pois é isso que é o voto: abro mão do meu direito de exercer diretamente o meu poder e o transfiro para um outro, em quem confio. Esse outro será o meu “representante”. Não só meu, mas de todas as pessoas que tiverem votado nele. Assim, o voto seria o exercício racional da vontade do povo que, conhecedor das alternativas que se abrem, opta por aquela que lhe parece mais sábia. O voto seria, ao mesmo tempo, um exercício de poder e de sabedoria. Democracia só faz sentido com um povo sábio. A partir disso formam-se os partidos. Um partido é o conjunto daqueles que , juntos, querem que o barco navegue numa determinada direção. Há partidos que querem que o barco continue em frente. Outros preferem a direita. E há aqueles que querem que o barco navegue para a esquerda. Há ainda uns outros que querem que o barco fique dando voltas...
E foi assim que se formou a democracia, governo do povo pelo povo, povo inteligente, que sabe o que quer, que, por meio do voto escolhe os seus representantes que, em seu nome, irão exercer o poder...
Com o passar do tempo descobriu-se que era muito fácil eleger um representante. O difícil era tirá-lo do poleiro do poder. O poder é um pássaro que não abandona o poleiro. Tem garras fortes. O que fazer quando o pássaro não quer deixar o poleiro? Continuaremos depois...
* * *
“Ô vida, meu Deus. Pior é que eu já perdi a inocência para os partidos, então quando falam em ‘os estudantes’ ou ‘as donas de casa’ eu saio no meio do discurso, sejam quem for, porque não acredito que a humanidade se salvará por uma de suas classes. Não quero ser governada por operários enfatuados, deslumbrados por terem a chave do cofre. Quero que me governe um homem bom e justo, que cuide para que chegando a noite todo mundo vá dormir cedo e cansado com tanto trabalho que tinha pra fazer e foi feito. Nem me importa se quem manda é rei vindo em linha direta de Salomão...” Dito pela Adélia Prado, para o meu conforto.
(Correio Popular, Caderno C, 10/07/2005.)

terça-feira, 22 de abril de 2008

Especial para o João Paulo - 8ª "B" - Pato Donald e o Nazismo

É João Paulo... a 8ª "B" realmente não é a mesma sem a sua presença. Espero que você se recupere logo e retorne as minhs aulas para os nossos debates. Enquanto você está em casa, espero que visite sempre o meu blog. Estou deixando esta postagem especialmente para você.





Veja como o mundo do Tio Sam, sabe aproveitar cada fato a seu favor.

Escrita Hieroglífica

Para quem tem interesse em traduzir palavras para a escrita hieroglífica dos egípcios.

Tradutor de Hieróglifos

22 de abril - Descobrimento? Achamento? Abuso?

Postagem especial para o ciclo IV - Inicial.
JORNAL DA HSTÓRIA

Quando o Brasil foi descoberto, no dia 22 de abril de 1500, ainda não existia jornal impresso e publicado diariamente. Mas... e se já existisse, do jeitinho que a gente conhece hoje? Já pensou como seriam as reportagens sobre o descobrimento do Brasil? No dia em que Cabral desembarcou em Lisboa, em 21 de julho de 1501, seria assim...

Leia um pouco sobre, clicando no título desta postagem.

Estou de volta!

Para suprir a minha ausência ontem... hoje farei várias postagens.

Boa leitura!

domingo, 20 de abril de 2008

Domingo... dia de descanso e de uma boa leitura.

Hoje pretendo agraciá-los com um excelente autor, sábio no que escreve, é como uma criança... só que para ele, os brinquedos são palavras. Para os que não o conhecem, tenho o prazer de apresentar-lhes: Rubem Alves - o anjo das palavras.

Explicando Política às Crianças


Meninos, meninas, vou lhes contar como tudo começou, do jeito como me ensinaram. Há muitos milênios atrás ( um milênio são mil anos! ), antes mesmo que a roda tivesse sido inventada, a vida era uma pancadaria generalizada, pauladas, pedradas, furadas ( eram feitas com paus pontudos; ainda não haviam descoberto um jeito de fazer flechas com pedras lascadas), cada um por si, cada um contra todos. Um famoso pensador chamado Hobbes disse que era um estado de “guerra de todos contra todos”. Não havia leis. As leis servem para proibir aquilo que não pode ser feito. Assim, cada um fazia o que queria. Roubar não era crime porque não havia uma lei que dissesse “é proibido roubar”. Matar não era crime porque não havia uma lei que dissesse “ é proibido matar”. E não havia pessoas encarregadas de fazer cumprir a lei: juizes, polícia. É para isso que a polícia existe: para impedir que a lei seja quebrada e para proteger os cidadãos comuns. Quem tivesse o porrete maior era o que mandava. Houve até um famoso presidente dos Estados Unidos que explicou o seu jeito de governar: “Falar manso e ter um porrete grande nas mãos...” Os jeitos primitivos continuam ainda em vigor.

É fácil entender. Imaginem uma coisa doida: um jogo de futebol em que não haja regras e nem haja um juiz que apite as faltas. Tudo é permitido. Tapas, murros, rasteiras, xingamentos, levar a bola com a mão, mudar de time no meio do jogo. Ao final de cada jogo o número de mortos e feridos é grande. Os amantes de futebol queriam continuar a jogar futebol, mas sem medo da violência. Eles se reuniram e disseram: “Não é possível continuar assim. Vamos fazer regras para o futebol. E vamos ter, no campo, um homem que faça com que as regras sejam cumpridas.” E assim fizeram. E o futebol se transformou num jogo civilizado ( às vezes...)

Pois os homens daqueles tempos chegaram à mesma conclusão. Não valia a pena continuar a viver daquele jeito. Eles se reuniram numa grande assembléia e chegaram a um acordo: “Só há uma solução. É preciso que cada um deixe de fazer o que lhe dá na telha. Precisamos leis. Mas, para ter leis, precisamos de um homem que faça as leis. E não só isso: um homem que tenha o poder para punir todos aqueles que quebram a lei.

Os homens, assim, abriram mão das suas pequenas vontades individuais para poderem viver uns com os outros em paz. E para que houvesse um homem que fizesse as leis e punisse os criminosos eles escolheram um que seria o seu Rei, ele e os seus descendentes. O Rei teria que ser aquela pessoa que reinaria para a paz dos homens comuns, os seus súditos. O Rei teria de ser uma pessoa que, ao mesmo tempo, combinasse sabedoria e força. Sabedoria para fazer as coisas certas. E força para que punisse os malfeitores. Em toda situação há sempre os malfeitores, aqueles que quebram as leis. Também no futebol há os malfeitores. No futebol os malfeitores são aqueles que quebram as regras, aqueles que, pensando que o juiz está distraído, dão rasteiras e tentam fazer gols com a mão. Se o juiz ficar desatento e não apitar as faltas a partida de futebol vira pancadaria.

Mas esses homens que elegeram o Rei eram ruins em psicologia. É sempre assim: em período de eleição todos os candidatos se apresentam como honestos, puros, pessoas que só desejam o bem do povo. Mas o povo não conhece psicologia. Acredita naquilo que lhes é dito. Não sabem que essas falas dos candidatos são como a isca no anzol do pescador. O seu objetivo é apenas “fisgar” o voto do povo. E esses puros, uma vez no poder, passam por horríveis transformações. Belos, transformam-se em Feras. Aconteceu assim com os Reis, tão bonitos, tão honestos, antes de terem a coroa na cabeça e a espada na mão. Mas uma vez no poder transformaram-se em Tiranos. Tiranos são aqueles que, esquecidos do povo, impõem a sua vontade sobre ele. Assim os Reis esqueceram-se do povo e passaram a pensar só neles mesmos. Se eles eram aqueles que fazem as leis, e se eles eram aqueles que tinham a espada na mão, não havia ninguém que os punisse. Eles cometiam suas maldades protegidos pela impunidade. Tendo poder para fazer as leis, eles as fizeram só em seu benefício, leis que obrigavam o povo a pagar impostos pesados. Imposto é um dinheiro que o povo tem de pagar ao governo para administrar o país. Tudo estaria bem se o dinheiro dos impostos fosse usado para o bem do povo. Mas não foi isso que fizeram. Usaram o dinheiro do povo para si mesmos. Construíram palácios com jardins, gramados e piscinas, deram banquetes, não só eles mas todos os membros da corte que assim se locupletaram. Todos ficaram ricos. O povo ficou mais pobre, mais sofrido. Aprendam isso: as pessoas mais cheias de boas intenções, quando têm o poder e o dinheiro na mão, esquecem-se delas. Ficam deslumbradas com o poder e passam a pensar só nelas mesmas. O poder e o dinheiro corrompem.

Foi assim durante muitos séculos. Até que o povo perdeu as esperanças. Os reis, que haviam sido objetos da sua admiração, tornaram-se objetos do seu desprezo. Seu perfume se transformou em fedor. Não, os Reis jamais pensariam no bem do povo. Aí o povo pensou: “Não fomos nós que escolhemos o Rei? Se ele está no trono é só porque nós queremos! Ele não está no trono pela vontade dos deuses! Se fomos nós os que o colocamos no trono, temos o direito de tirá-lo de lá”. O povo então se enfureceu, saiu às ruas, pegou em armas, fez revoluções e tirou o Rei do trono. Esse direito do povo, de tirar os Tiranos do poder, pela força, até foi louvado pela mais humilde e a mais santa das mulheres, Maria, mãe de Jesus. Cantando o amor de Deus ela disse que ele “derrubou dos seus tronos os poderosos e exaltou os humildes.” ( Lucas 1:52).

Mas esse direito de tirar os reis dos tronos transformou-se em crueldade. Na Revolução Francesa o rei e a rainha foram guilhotinados. Na Rússia os revolucionários fuzilaram toda a família real, inclusive as crianças.

Voltou-se então ao estado original: não havia quem ditasse leis e as fizesse cumprir, para a paz do povo. Havia o perigo de que se estabelecesse a condição primitiva de “guerra de todos contra todos”. Há de haver quem faça as leis e garanta o seu cumprimento. Mas o povo havia aprendido uma lição: poder por toda a vida, como o que era dado aos reis, só produz tirania e corrupção. É muito perigoso dar poder absoluto a uma pessoa só.
Por que o jogo de futebol é possível? Jogadores, bola – tudo bem. Mas não basta. Há de haver regras. E como se estabelecem regras? As pessoas interessadas se ajuntam e fazem um “contrato”. “Contrato” é um documento que estabelece as regras, com o acordo de todos. Esse contrato contém as regras do jogo que todos devem obedecer. Todas as relações entre os seres humanos são reguladas por contratos. O casamento é um contrato, a compra de uma casa é um contrato, a matricula de um aluno numa escola se faz por meio de um contrato. Quando um povo inteiro quer estabelecer as regras de sua convivência, esse contrato tem o nome de “Constituição”. O Brasil tem uma “Constituição”.
O espaço chegou ao fim e na próxima crônica vou falar sobre a “Democracia” que é o sistema de governo em que quem faz as leis é o povo. Pelo menos, é assim que deveria ser.
Fonte: Correio Popular, 16 de Junho de 2005.

19 de abril - Dia do Índio


Sei que estou alguns minutos atrasada em minha homenagem, mas não poderia deixar de colocar neste blog uma contribuição para lembrarmos do dia do Índio.

Clique no título desta postagem e conheça um pouco mais sobre os índios do Brasil.

sexta-feira, 18 de abril de 2008

Centenário da Imigração Japonesa

Hoje encerro a série apresentada no Fantástico em homenagem ao centenário da imigração japonesa. Vídeo 05 de 05


quinta-feira, 17 de abril de 2008

História do Brasil: de Cabral a Cardoso


Galera do CE 416, em especial as turmas do Ciclo IV - Inicial,

O JB publicou em cinco cadernos a série Brasil 500 anos: de Cabral a Cardoso, uma reflexão com alguns dos nossos mais importantes intelectuais sobre a trajetória do país que vai além do Descobrimento.


Aproveitem a leitura e descubra coisas novos sobre a nossa História.


Clique no título desta postagem e divirta-se!

Centenário da Imigração Japonesa

Continuando com a série de vídeos sobre o centenário da Imigração Japonesa, estou postando o vídeo 04 de 05.


Concuros melhore ainda mais São Bernardo - 2008

Galera do CE nº 416,

Agora é pra valer, saiu o edital do Concurso Melhore Ainda Mais São Bernardo 2008. Estou disponibilizando parte do edital. Caso queiram ler o edital na íntegra, clique no título desta postagem.
Pesquisem, elaborem excelentes projetos, porque o Céu é o limite.
CONCURSO MELHORE AINDA MAIS SÃO BERNARDO – 2008
1. DOS PARTICIPANTES
1.1- Poderão participar do concurso “Melhore Ainda Mais São Bernardo - 2008” alunos provenientes das Instituições de Ensino públicas e particulares situadas no Município de São Bernardo do Campo.
2. DOS REQUISITOS
2.1- Os alunos participantes deverão estar regularmente matriculados, no ano letivo de 2008, nas séries que integram a Educação Infantil (a partir dos 4 anos de idade), Educação Especial, Ensino Fundamental I, Ensino Fundamental II, Ensino Médio, Ensino Técnico, Ensino Profissionalizante, Supletivo ou Ensino Superior.
2.2- Alunos matriculados em mais de uma Instituição de Ensino deverão optar, no momento da inscrição, pela representação de apenas uma Unidade Escolar.
3. DAS INSCRIÇÕES
3.1- As inscrições serão recebidas de 24 de março a 16 de maio de 2008, através do “site” www.concursomelhoresbc.com.br e ficarão condicionadas à comprovação da veracidade das informações pela comissão.
4. DA EXPOSIÇÃO E DOS PROJETOS
4.1- Cada participante apresentará 1(um) único projeto, abrangendo o tema pré-determinado constante no item 5.1, com exceção dos alunos da Educação Infantil, do Ensino Fundamental I e da Educação Especial, que farão uma exposição, no Evento de Premiação do Concurso, relacionada com os seguintes temas:
4.6- Os projetos elaborados pelos alunos do Ensino Fundamental II, Ensino Médio, Ensino Técnico, Ensino Profissionalizante, Supletivo ou Ensino Superior poderão ser elaborados individualmente ou em grupo, formado por até 4 (quatro) integrantes.
4.7- Os participantes que optarem por elaborar seu projeto em grupo deverão estar matriculados na mesma série e Instituição de Ensino e indicarão, na Ficha de Inscrição, o nome do representante do grupo.
4.8- Os projetos deverão conter, obrigatoriamente, os seguintes elementos:
4.8.1- CAPA – nome da Instituição de Ensino representada, nome(s) do(s) aluno(s) e respectiva série cursada pelo(s) participante(s).
4.8.2- CONTRACAPA – nome do projeto.
4.8.3- APRESENTAÇÃO – breve resumo, contendo esclarecimentos acerca da importância e limitações do projeto, bem como sua eventual relação com demais projetos, já desenvolvidos no município de São Bernardo do Campo.
4.8.4- OBJETIVO - resultado pretendido pelo(s) autor(es).
4.8.5- JUSTIFICATIVA – com base na análise da realidade do Município, focado no tema do projeto, levantar hipóteses e propostas de soluções para o tema que, na visão do aluno ou do grupo, serão detalhadas no desenvolvimento do trabalho onde os problemas serão dimensionados e desenvolvidas as propostas de solução.
4.8.6- DESENVOLVIMENTO – finalidade: retratar a idéia principal. Deve detalhar o projeto desenvolvido, destacando seus pontos relevantes.
4.8.7- CONCLUSÃO – destaca deduções a respeito do tema apresentado e reafirma sistematicamente a idéia principal. Deve ser uma decorrência natural do que foi exposto no desenvolvimento.
4.8.8- REFERÊNCIAS - Todos os projetos devem atender a normalização ao fazer a suas referências (livros, internet, fotos, mídias eletrônicas).
4.9- A inobservância destes requisitos mínimos, a apresentação de mais de um projeto por participante ou a participação de um mesmo aluno em mais de um grupo concorrente implicará na desclassificação do(s) respectivo(s) projeto(s).
5- DAS CATEGORIAS E DOS TEMAS
5.1- Os participantes deverão apresentar projetos que versem sobre os temas pré-determinados, estipulados para cada uma das seguintes categorias:
5.1.1- 1ª CATEGORIA: Ensino Fundamental II e Supletivo (6ª à 9ª séries) – Tema: “Planejamento Urbano”.
5.1.2- 2ª CATEGORIA: Ensino Médio, Ensino Técnico, Ensino Profissionalizante ou Supletivo (1ª à 3ª séries) – Tema: “Geração de Emprego”
5.1.3- 3ª CATEGORIA: Ensino Superior – Tema: “Desenvolvimento Econômico Sustentável".
6- DOS CRITÉRIOS DE JULGAMENTO, DA PONTUAÇÃO E DA CLASSIFICAÇÃO
6.1- A avaliação dos projetos será realizada por um júri especialmente designado pela Comissão do Concurso responsável pela escolha e composição do grupo de jurados.
6.2- Os projetos serão avaliados, de acordo com a categoria na qual foram inscritos, sob três aspectos: idéia, viabilidade técnica e viabilidade econômica.
6.2.1- O quesito “idéia” será mensurado de acordo com a originalidade do projeto, sua pertinência com o tema, bem como sua relevância social.
6.2.2- O quesito “viabilidade técnica” será analisado levando-se em consideração a real possibilidade de execução do projeto.
6.2.3- Para o quesito “viabilidade econômica” serão adotados critérios de avaliação relacionados com o binômio custo/benefício que envolve as etapas executivas do projeto apresentado pelo participante.
6.3- Cada jurado atribuirá notas de 0 (zero) a 10 (dez) aos quesitos avaliados, permitido o intervalo de 0,5 (cinco décimos) entre as notas inteiras.
7- DA PREMIAÇÃO
7.1- Serão premiados os projetos classificados nas 3 (três) primeiras colocações de cada categoria.
7.2- Os 3 (três) primeiros colocados da 1ª Categoria receberão, em dinheiro, cotas do percentual da arrecadação realizada junto aos patrocinadores do evento, as quais serão distribuídas da seguinte forma:
7.2.1- 1º Colocado: 25% (vinte e cinco por cento) do montante arrecadado;
7.2.2- 2º Colocado: 15% (quinze por cento) do montante arrecadado;
7.2.3- 3º Colocado: 10% (dez por cento) do montante arrecadado.
7.3- Os prêmios a que se refere o item anterior serão distribuídos por projeto, independentemente da quantidade de alunos que compõem o grupo, no caso de autoria coletiva.
7.4- O pagamento dos prêmios relativos aos projetos vencedores, quando elaborados em grupo, será realizado ao representante do mesmo, indicado no momento de sua inscrição. Este representante ficará responsável pela distribuição e repasse do valor aos demais integrantes do grupo.
7.4.1- Não é responsabilidade da comissão do concurso arbitrar sobre eventuais problemas quanto à distribuição dos valores auferidos aos vencedores.
Concurso Melhore Ainda Mais São Bernardo - 2008
Objetivos e Base para desenvolvimento do Concurso de acordo com cada tema:
Eixo Temático: Plano Diretor - Refletindo, Planejando e Transformando a Cidade;
1ª Categoria: 6º ao 9º ano do Ensino Fundamental II.Tema Central: Planejamento Urbano
A cidade e o seu contexto urbano-metropolitano têm se configurado, cada vez mais, num considerável desafio aos estudiosos do urbanismo. Os problemas ambientais urbanos, nesse cenário, demandam a busca de soluções que ultrapassam o campo restrito de disciplinas isoladas, levando o urbanismo a atingir o patamar de campo prático da interdisciplinaridade.
Neste contexto, os alunos deverão estar sensibilizados à problemática do planejamento urbano como sendo o fio condutor de diversas políticas públicas que busquem otimizar o espaço urbano, levando em consideração as diversas problemáticas econômicas, sociais, políticas e ambientais.
Desta forma, o principal objetivo dos alunos e por conseqüência de seus projetos é propor caminhos que considerem a cidade como uma complexa rede de relações sociais, baseadas nos seguintes pólos interligados:
Geração de renda;
Preservação do Patrimônio Histórico;
Desenvolvimento Econômico Sustentável;
Realização de Obras de Infra-Estrutura.
Cada pólo citado acima deverá ser analisado e trabalhado de forma interligada, respeitado as especificidades regionais, buscando propor projetos viáveis e articulados com as demais iniciativas promovidas pela Municipalidade
Estou contando com a participação de vocês.

quarta-feira, 16 de abril de 2008

Japão em São Bernardo - 100 anos da imigração japonesa


Aproveite a leitura do livro "O amor é um pássaro vermelho" e participe dos eventos realizados na cidade de SBCampo em comemoração ao Centenário da Imigração Japonesa

Centenário da Imigração Japonesa

Estou de volta... infelizmente ontem não consegui fazer nenhuma postagem, mas estou de volta com a série sobre o Centenário da Imigração Japonesa.
Asssita ao vídeo 03 de 05.

segunda-feira, 14 de abril de 2008

domingo, 13 de abril de 2008

Elaboração de Cartazes

Galera, estou deixndo mais dicas para estudo e realização de trabalhos. Desta vez o foco é a elaboração de cartazes.

Dicas para fazer cartazes
  1. O cartaz serve para motivar ou divulgar, para isso ele deve ser bem apresentado.
  2. Atraente: as pessoas passam apressadas e só um cartaz interessante pode chamar-lhes a atenção.
  3. Simples: para ser entendido rapidamente. A mensagem deve ser clara, breve, precisa. Tratar de um só assunto, eliminando o que não for essencial.
  4. Ilustração: A ilustração deve ser auto-explicativa. Use apenas símbolos que se identifiquem facilmente com a mensagem.
  5. Texto: poucas palavras, mas bem significativas e adequadas ao público alvo. A letra deve ser bem legível.
  6. Cor: o cartaz deve apresentar cores vivas e contrastantes, exatamente para chamar a atenção do público.
  7. Distribuição dos elementos: Texto e gravura devem ser distribuídos de forma agradável, requer-se, então:
  • Harmonia: se apresenta uma coisa pesada, uma carga de caminhão, por exemplo, a letra não pode ser muito delicada, nem as cores muito suaves. Se apresenta algo delicado, perfume, por exemplo, levará cores mais vivas e letras mais finas.
  • Unidade e ritmo: todos os elementos devem estar em concordância entre si, e ter a sua importância na transmissão da mensagem central. A posição das figuras é muito importante. Elas devem sempre estar voltadas para o centro visual dirigindo o olhar do público para a mensagem. Se voltadas para as margens, dispersam a atenção.
  • Foco: entre várias coisas, destacar aquilo que quer dar mais importância, indicando-o pelo tamanho, posição, cor, forma.
  • Balanço ou equilíbrio: é a disposição dos elementos de forma a equilibrar o espaço do cartaz. Não colocar tudo num canto, ou tudo no meio.
Fonte: (Revista Família Cristã, 11/1974, p. 62)

A fantástica viagem ao Japão

Continuando com a série sobre o Centenário da Imigração Japonesa, colocarei durante a semana o especial exibido pelo Fantástico.
Episódio 1 de 5.

sábado, 12 de abril de 2008

Centenário da Imigração Japonesa

Turmas do CE 416,

A partir de hoje disponibilizarei alguns vídeos em homenagem ao Centenário da Imigração Japonesa. Aproveitem... e lembrem-se da leitura do livro "O amor é um pássaro vermelho", porque as atividades do bimestre serão pautadas neste livro.

Revolução Francesa

Paloma... não entendi direito a sua pergunta, por isso estou deixando indicações de sites para leitura sobre a Revolução Francesa - ok?

http://educaterra.terra.com.br/voltaire/especial/home_rev_francesa.htm
http://www.historianet.com.br/conteudo/default.aspx?codigo=179
http://educaterra.terra.com.br/voltaire/mundo/revolucao_educacao.htm
http://staging.frenchrevolution.e-volution.com/pt/pop-up_content.html

Espero ter ajudado de alguma forma.

Pérolas do ENEM - Programa do Jô

Unida ao Programa do Jô, farei uma campanha em prol da educação. Espero sinceramente que vocês reflitam ao ouvir estas pérolas e não somente dêem risadas, pois este parece ser o Futuro do nosso país. (FUTURO??? SERÁ???)

sexta-feira, 11 de abril de 2008

Pérolas Escolares - Programa do Jô

Tema: História e Política

Queridos, estudem ou correrão o risco de fazer sucesso no programa do Jô.


Homens das Cavernas

Uma animação sobre os homens das cavernas.

Mitologia Grega


Especialmente para o Ciclo III - Inicial


Há quase três mil anos, os gregos criaram mitos e lendas, com deuses, heróis, monstros e gigantes que passaram a ser adorados por eles, para explicar desde os fenômenos naturais simples, como as estações do ano, até os mais complexos, como a criação do mundo.
Assim teve origem a mitologia grega, que é a reunião de todas essas histórias.Os gregos dessa época acreditavam que antes de o mundo existir havia apenas a escuridão e o vazio: era o Caos.


Conheça um pouco mais sobre a mitologia grega clicando no título desta postagem.


OBS: este site é interssante, porém vai exigir alguns conhecimentos anteriores, ou uma breve pesquisa, para que você possa usufruir de textos, jogos, curiosidades, etc.

quinta-feira, 10 de abril de 2008

Dia da Terra

Calcule o seu impacto negativo no meio ambiente respondendo um questionário simples. Clique no título da postagem e descubra se você está contribuindo positivamente ou negativamente com o planeta.

Como Estudar?


Galera esta é uma das preciosas contribuições da Profª. Marilsa para este blog. Preocupada com a qualidade de ensino ela elaborou algumas dicas e orientações para estudo. Espero que vocês aproveitem e façam uso de tão sábios conselhos.


COMO ESTUDAR?

A- ORIENTAÇÕES GERAIS

l- É muito importante que você seja organizado. Escolha um local e determine um horário, não só para estudo, mas para a realização de suas atividades.

2- Antes de iniciar o estudo, verifique o material que irá necessitar (lápis, régua, borracha, caneta, dicionário, livro, caderno, papel para anotações ou rascunho, etc.) e providencie-o.

3- Estude para aprender e não somente para tirar boa nota ou apenas em véspera de prova.

4- Estude um pouco todos os dias. Procure rever a matéria fazendo uma avaliação diária: O que aprendi hoje? Quais são as minhas dúvidas? Onde estou encontrando dificuldades?

5- Durante a aula, preste atenção e faça perguntas dentro do assunto. Ter suas dúvidas esclarecidas é um direito seu. Não deixe que a timidez o atrapalhe.

6- Não fique dependendo do professor para tudo. Ele o orienta, mas você também deve tentar resolver suas dificuldades. Não se esqueça de que, na vida, você não terá um professor sempre ao seu lado.

7- Evite arrumar desculpas para os seus fracassos, tais como: minha mãe não me dá atenção (ou ela só gosta do meu irmão); o colega do lado (ou de trás) me atrapalha; o professor não ensina direito (ou não sabe ensinar); não tenho dinheiro para comprar o livro, etc., etc. Você é capaz de analisar e enfrentar suas dificuldades. Talvez você não esteja se saindo bem porque perdeu alguma aula ou explicação, talvez porque não leve os estudos e a escola a sério ou, ainda, por falta de vontade mesmo. Procure descobrir o(s) motivo(s) de seu insucesso e tente superá-lo(s) e eliminá-lo(s), mesmo que, para isto, tenha que começar tudo novamente.

8- Estude com seus colegas mais hábeis. Não tenha vergonha de buscar ajuda com aqueles que

têm menos dificuldades que você. A ajuda deles é valiosa e você não deve desperdiçá-la e não deve, muito menos, menosprezá-los ou caçoar deles porque sempre tiram boas notas. Afinal, eles se esforçam bastante para isto, algo que você talvez não esteja fazendo...

9- Mantenha seus cadernos limpos, organizados e com a matéria em dia. Mantê-los assim, além de facilitar sua vida na hora de estudar, despertará a atenção de seus professores que, certamente, o elogiarão.

B- PROCEDIMENTOS DIANTE DE UM TEXTO

l- Leia o texto inteiro, com muita atenção.Vá até o fim dele, sem parar no meio.

2- Numere os parágrafos.

3- Grife as palavras desconhecidas e procure-as no dicionário.

4- Substitua as palavras grifadas por seus sinônimos.

5- Grife a idéia principal de cada parágrafo.

6- Anote e enumere as idéias principais de cada parágrafo.

7- Resuma, ou faça um relatório, ou observações a respeito do texto.

8- Faça desenhos, mapas ou gráficos relacionados com o assunto. Assim você o fixará melhor.

9- Elabore perguntas sobre o texto e tente respondê-las, mas utilizando suas palavras e não apenas copiando trechos do mesmo.

10- Analise o próprio trabalho com honestidade para descobrir se ele apresenta falhas e onde elas estão.

11- Anote as dificuldades e tente resolvê-las. Se não conseguir, pergunte ao professor. Dessa maneira, além de aprender, você mostrará a ele o seu interesse pela matéria.

12- Sempre é bom lembrar: releia o texto quantas vezes forem necessárias. Agindo assim, você só terá a ganhar!

C- MAIS ALGUMAS “DICAS”

1- Os erros de ortografia só serão corrigidos se você praticar a forma correta. Lendo e relendo você terminará escrevendo bem. Leia de tudo: histórias em quadrinhos, romances, revistas, jornais, crônicas, etc....Ao ler um livro, faça uma ficha contendo a referência bibliográfica e a sua apreciação (análise, comentário...) sobre o mesmo, ou, melhor ainda: faça uma resenha sobre ele.

2- Após redigir um texto (carta, bilhete, relatório, resenha, resumo, etc.), é preciso que você o releia e corrija, complete ou modifique se necessário.

3-Assim que tomar conhecimento de algum fato ou aspecto da língua que você desconhecia, procure identificá-lo nos textos lidos e aplicá-lo nas suas produções escritas.

4-Leia e procure entender as questões das diversas disciplinas, inclusive as situações matemáticas, antes de resolvê-las.

5- Utilize o conhecimento que você adquiriu em uma disciplina para auxiliá-lo nas outras matérias. As disciplinas se relacionam, têm pontos em comum, não são isoladas umas das outras.

terça-feira, 8 de abril de 2008

História da moeda


O Banco Central do Brasil utiliza um espaço do seu site para relatar aos jovens as origens da moeda no Brasil e no mundo. Há uma seção exclusiva de textos para pesquisa escolar, onde se destacam a origem da moeda, do cifrão, do cheque e dos cartões de crédito. Também apresenta moedas do mundo junto com a cotação delas em real, ilustrações de máquinas de cunhar moedas e uma galeria virtual com reproduções de obras do acervo de arte do Banco Central.


Clique no título desta postagem e conheça a história de algo que anda em falta no meu bolso.

Voltei...

Infelizmente não consegui postar mensagens ontem, mas já estou de volta para preencher este vazio.

domingo, 6 de abril de 2008

Analfabeto Político

Queridos alunos... leiam e reflitam!


O Analfabeto Político

"O pior analfabeto é o analfabeto político.
Ele não ouve, não fala, nem participa dos acontecimentos políticos.
Ele não sabe que o custo de vida, o preço do feijão,
do peixe, da farinha, do aluguel, do sapato e do remédio
dependem das decisões políticas.
O analfabeto político é tão burro que se orgulha e estufa o peito dizendo que odeia
a política. Não sabe o imbecil que da sua ignorância política nasce a prostituta,
o menor abandonado, e o pior de todos os bandidos que é o político vigarista,
pilantra, o corrupto e lacaio dos exploradores do povo."
Nada é impossível de Mudar
"Desconfiai do mais trivial, na aparência singelo.
E examinai, sobretudo, o que parece habitual.
Suplicamos expressamente: não aceiteis o que é de
hábito como coisa natural, pois em tempo de desordem
sangrenta, de confusão organizada, de arbitrariedade consciente,
de humanidade desumanizada, nada deve parecer natural
nada deve parecer impossível de mudar."
Privatizado
"Privatizaram sua vida, seu trabalho, sua hora de amar e seu direito de pensar.
É da empresa privada o seu passo em frente,
seu pão e seu salário. E agora não contente querem
privatizar o conhecimento, a sabedoria,
o pensamento, que só à humanidade pertence."

Bertold Brecht

sexta-feira, 4 de abril de 2008

quinta-feira, 3 de abril de 2008

Textos Histórios da Folha de São Paulo - Clique aqui!

É galera, buscar informação e transformá-la em conhecimento é o que faz a diferença neste mundo atribulado. Não seja um desmemoriado da História. Procure, seja curioso, leia, não se limite apenas a leitura que os outros lhe oferecem. Vá em busca de novas leituras, abra os horizentes e faça a diferença.

Leia alguns textos históricos publicados na Folha de São Paulo, mas não pare por aí, procure novas fontes.

Monumentos de São Paulo

Photographias é um projeto especial de pesquisa para resgatar imagens históricas da cidade de São Paulo. As fotos selecionadas fazem parte do acervo do Banco de Dados, centro de documentação jornalística da Folha de S.Paulo. No projeto são destacados vários monumentos da cidade de São Paulo.

As imagens selecionadas mostram algumas das obras mais importantes de Sampa.
As legendas das fotos, por sua vez, contam um pouco da história de cada um dos monumentos escolhidos em nossa pesquisa. (Folha de São Paulo)

Vale a pena conhecer... basta clicar no título desta postagem.

quarta-feira, 2 de abril de 2008

+ Jânio Quadros - Clique aqui!


Histórias e frases do Jânio.. o rei da vassoura!


"Desinfeto porque nádegas indevidas se sentaram nela."
Obs.: Eleito prefeito de São Paulo em 1985, sobre a cadeira na qual o outro canditado, Fernando Henrique Cardoso, se sentara na véspera das eleições.
[ Jânio Quadros]


"Bebo-o porque é líquido, se fosse sólido comê-lo-ia. "
Obs.: Jânio em uma de suas frases memoráveis; pronunciou-a quando era presidente.
[ Jânio Quadros]


"Nesta data e por este instrumento, deixando com o ministro da Justiça as razões do meu ato, renuncio ao mandato de presidente da república."
[ Jânio Quadros]


"Limpem o País. Poderá ser tarde para nós, mas não o será para os nossos filhos. Vocês têm agora um gigante, que convida vocês todos para a verdadeira guerra democrática."
[ Jânio Quadros]


"O povo será a um tempo minha bússola e o meu destino." [ Jânio Quadros]

"Fi-lo porque qui-lo!"
Obs.: Frase atribuída ao ex-presidente Jânio da Silva Quadros. Numa entrevista mais tarde, ele afirmou que tal frase está incorreta gramaticalmente (o que é verdade) e, se a dissesse, diria: 'Fi-lo porque o quis'.
[ Jânio Quadros]

JÂNIO QUADROS

Atendendo a solicitação do futuro presidente ou ditador do Brasil, meu querido aluno João Paulo - 8ª "B", estou postando algumas informações sobre Jânio Quadros.

Basta clicar no título desta postagem João e demais visitantes.

Contribuição do dia - Centenário da Imigração Japonesa



Para homenagear os meus herdeiros, estou socializando a linha do tempo do centenário da imigração japonesa no Brasil. Graças ao processo de imigração japonesa sou mãe dessas preciosidades da foto.

Linha do Tempo
A Linha do Tempo da Imigração Japonesa Desde o início da imigração japonesa no Brasil, que tem como marco a chegada do navio Kasato Maru, em Santos, no dia 18 de junho de 1908, os imigrantes japoneses obtiveram muitas conquistas e vitórias, superando inúmeras dificuldades. Confira abaixo a Linha do Tempo da Imigração Japonesa, desde 1908 à 1997.

18 de junho, 1908 Chegada do navio Kasato Maru, em Santos. Do porto de Kobe a embarcação trouxe, numa viagem de 52 dias, os 781 primeiros imigrantes vinculados ao acordo imigratório estabelecido entre Brasil e Japão, além de 12 passageiros independentes.

Fevereiro, 1911 Os primeiros lotes adquiridos por imigrantes japoneses, a partir do projeto de colonização Monções, localizavam-se na vizinhança da Estrada de Ferro Sorocabana, junto à estação Cerqueira César.
Março, 1912 O Estado de São Paulo doa terras, na região de Iguape, onde famílias de imigrantes são assentadas, a partir do contrato de colonização firmado entre uma empresa japonesa e o governo paulista,.

Agosto, 1913 Chegam ao Brasil 107 imigrantes para trabalhar no garimpo, em Minas Gerais. Foram os únicos imigrantes japoneses da história a trabalharem com mineração.

Março, 1914 O governo estadual avisou à Companhia da Imigração que não mais subsidiaria a viagem de japoneses para o Brasil, já que a situação do Estado era desfavorável. Na época, o contingente de trabalhadores japoneses no Estado de São Paulo já estava por volta de 10 mil pessoas.
ADAPTAÇÃO CULTURAL

1918 As irmãs Kumabe, alunas da Escola Normal do Rio de Janeiro, são as primeiras duas professoras oficiais saídas da comunidade.

1923 O primeiro dentista de origem japonesa forma-se na Escola de Odontologia de Pindamonhangaba. Surgem polêmicas sobre os imigrantes, povo exótico no país. Tanto no âmbito executivo como no legislativo surgem opiniões a favor e contra a entrada de novos imigrantes japoneses
1932 Segundo dados do Consulado Geral do Japão em São Paulo mostram que a comunidade nikkei, na época, era composta por 132.689 pessoas. A maior concentração de pessoas nas colônias situava-se ao longo da linha Noroeste da Companhia Paulista de Ferrovias. Desse total, 90% dedicava-se à agricultura.

1938 No ano antecedente ao início da II Guerra Mundial, o Governo Federal começou a restringir as atividades culturais e educacionais dos imigrantes. As comunidades oriundas dos países integrantes do Eixo Roma-Berlim-Tóquio começaram a sentir os sintomas do conflito.

1940 A circulação de todas as publicações em japonês é proibida. No ano seguinte, chegaram às últimas correspondências do Japão. Até o fim da guerra, os japoneses viveram um período de rigorosas restrições, inclusive com o confisco de seus bens.

1948 O primeiro nikkei a ocupar um cargo eletivo em uma capital é Yukishige Tamura, eleito vereador em São Paulo. O clima de paz e harmonia volta a reinar, aos poucos, nas relações entre descendentes japoneses e a sociedade brasileira.

1949 O comércio entre Brasil e Japão é promovido por meio de um acordo bilateral. O Governo Federal anunciou, um ano depois, a liberação dos bens confiscados dos imigrantes dos países do Eixo.

1951 As empresas japonesas, encorajadas, começam a planejar investimentos no Brasil. Cinco mil famílias imigrantes são autorizadas, pelo governo brasileiro, a entrar no país.

1958 O príncipe Mikasa, irmão do imperador Hirohito, visita o Brasil para participar das festividades do cinqüentenário da imigração japonesa. O número de japoneses e descendentes no país somavam 404.630 pessoas.

1962 A integração social e política dos brasileiros descendentes de japoneses é cada vez mais acentuada. Seis nisseis são escolhidos nas urnas: três para a Câmara Federal – Minoru Miyamoto, do Paraná; João Sussumu Hirata e Yukishige Tamura, de São Paulo – e três para a Assembléia Legislativa de São Paulo – Ioshifumi Utiyama, Antônio Morimoto e Diogo Nomura).

1964 A sede da Sociedade Brasileira de Cultura Japonesa - Bunkyo é inaugurada na Rua São Joaquim, em São Paulo.

1967 O casal imperial visita o Brasil pela primeira vez. Na recepção ao príncipe herdeiro Akihito e a princesa Michiko, a comunidade nikkei lota o estádio do Pacaembu, em São Paulo.

1973 Chega em Santos, São Paulo, o navio Nippon Maru, último a transportar imigrantes japoneses. 1978 A imigração japonesa no Brasil festeja 70 anos. O casal imperial Akihito e Michiko participou das festividades e, novamente, a comunidade lota o Pacaembu. No mesmo ano, a Sociedade Brasileira de Cultura Japonesa – Bunkyo - inaugura, em São Paulo, o Museu da Imigração Japonesa no Brasil.

1978~1987 A integração consolida a nova identidade dos nikkeis. Tendo como tema o Japão e seus imigrantes, surgem a partir da década de 70, as primeiras obras literárias de vulto escritas por nikkeis, entre elas: Japão Passado e Presente, de José Yamashiro (1978); História dos Samurais, também de Yamashiro (1982); O Imigrante Japonês, de Tomoo Handa (1987).
1988 Com a presença do príncipe Aya, filho de Akihito, é comemorado o 80º aniversário da imigração japonesa no Brasil. Década de 90 Em meados de 1988 surge o fenômeno dekassegui. A ida de milhares de japoneses e descendentes do Brasil para o Japão atinge o auge no início dos anos 90.

1991 A Sociedade Brasileira de Cultura Japonesa – Bunkyo promove, naquele ano, o "Simpósio sobre o fenômeno dekassegui". No ano seguinte, foi criado o CIATE – Centro de Informações e Apoio aos Trabalhadores no Exterior – com a colaboração do Ministério do Trabalho do Japão. Esse serviço funciona até hoje, e tem sua sede no prédio da Sociedade Brasileira de Cultura Japonesa.

1992 Com personagens descendentes de japoneses e abordando o fenômeno dekassegui, é lançado Sonhos Bloqueados, da professora Laura Hasegawa. é a primeira obra literária de ficção escrita por uma nikkei.

1995 Comemorou-se, neste ano, o centenário do tratado de Amizade, Comércio e Navegação entre Brasil e Japão. A princesa Norinomiya, filha de Akihito, já então imperador do Japão, veio prestigiar as festividades.

1997 A comunidade nikkei emociona-se mais uma vez com a visita do casal imperial japonês, que permaneceu no país por dez dias.

Conheça um pouco mais sobre esta história clicando no site abaixo:
http://www.centenario2008.org.br/principal.php?c=imigracao

Fonte: Museu Histórico da Imigração Japonesa no Brasil

terça-feira, 1 de abril de 2008

Curiosidades sobre o 1º de Abril e a História do Brasil


O primeiro de abril é conhecido popularmente como o Dia da Mentira, e isso se enraizou no imaginário popular de tal forma que as chamadas pegadinhas, nesse dia, são freqüentes. O que você pensaria se lhe dissesse que o Congresso Nacional foi fechado, as garantias constitucionais e individuais foram suspensas, mandatos foram caçados e direitos políticos suspensos, o presidente será eleito indiretamente e a imprensa está sendo fortemente censurada? Que grande mentira! Você me afirmaria com toda certeza. Mas coincidência ou não, foi o que aconteceu na história recente brasileira. Estou me referindo ao Golpe Militar de 64, deflagrado na noite de 31 e efetivado em primeiro de abril de 1964, levando o Brasil a suportar aproximadamente 21 anos de Ditadura Militar. No contexto internacional, da época, o nazismo alemão, o fascismo italiano e o militarismo japonês haviam sido derrotados pelos aliados. Logo, as forças fascistas, que cresciam no Brasil, em particular dentro do exército, perderam espaço para o conservadorismo “democrático” que a burguesia tradicional tanto desejava manter. Além disso, União Soviética e Estados Unidos saíram vitoriosos da guerra, cada um, porém, seguindo um caminho diferente do outro. Os EUA, defendendo a propriedade, o capitalismo e a liberdade como balizas fundamentais do crescimento econômica. Já a ex-URSS tinha sua ideologia solidificada no comunismo, buscando a horizontalidade nas relações econômicas e sociais, algo totalmente diverso do que o american way of life pregaria a partir da década de 50. Isto fez com que o mundo se dividisse, ao menos imaginariamente, em dois blocos: uns países do lado dos Estados Unidos e seus dogmas capitalistas e outros, de maior proximidade ao poderio comunista da então União Soviética. E o Brasil, com seu papel estratégico na América do Sul, tinha a obrigação de se posicionar. Assim, Washington fez de tudo para trazer os brasileiros para junto de suas convicções e anseios. A campanha do comunismo como o monstro e causa de todos os males estava colocada e foi levada à exaustão pela mídia durante aqueles anos, apoiada por políticos e militares. Isso tanto é verdade e solidificou-se de tal maneira que no Brasil o medo dos ideais igualitários se tornou algo por demais assustador. De tão arraigado, qualquer um que cismar em falar de comunismo já será visto de forma estigmatizada e julgada sob pré-conceitos capitalistas ocidentais desprovidos de reflexão dialética, mesmo hoje em dia, com supostos ares democráticos nos embalando. O presidente João Goulart implantou as reformas de base que alterariam as relações econômicas e sociais no país, levando a uma mobilização das massas trabalhadoras em torno do projeto. Isso fez com que o empresariado, parte da Igreja Católica, a oficialidade militar e os partidos de oposição, liderados pela União Democrática Nacional (UDN) e pelo Partido Social Democrático (PSD), a denunciar a preparação de um golpe comunista, com a participação do presidente. Além disso, responsabilizam-no pela carestia e pelo desabastecimento. No dia 13 de março de 1964, o governo promove grande comício em frente da estação ferroviária Central do Brasil, no Rio de Janeiro, em favor das reformas de base. Os conservadores reagem com uma manifestação em São Paulo, a Marcha da Família com Deus pela Liberdade, em 19 de março. A tensão cresce. No dia 31 de março, tropas saídas de Minas Gerais e São Paulo avançam sobre o Rio, onde o governo federal conta com o apoio de setores importantes da oficialidade e das Forças Armadas. Para evitar a guerra civil, Goulart abandona o país e refugia-se no Uruguai. No dia 1º de abril, o Congresso Nacional declara a vacância da Presidência. Os comandantes militares assumem o poder. A partir de então o Brasil passará por um extenso período de violenta repressão, que durou aproximadamente 21 anos. O período caracterizou-se pela falta de democracia, supressão de direitos constitucionais, censura, perseguição política, tortura, desaparecimentos e repressão aos que eram contra o regime militar. Portanto, após tomar consciência dessa página triste da História brasileira, não consigo receber o primeiro de abril como simplesmente o Dia da Mentira e, muito menos, sem realizar reflexões ou mesmo questionamentos acerca do Regime Militar e suas conseqüências para a época e, principalmente, para a atualidade, sejam elas na área econômica, política, cultural ou social.

Fonte: http://br.geocities.com/genilsonnolasco/2artigos.html > acesso em 01/04/2008.